Terça-feira, Julho 23, 2024
InícioSAÚDECom transplante de pele, unidade de queimados do HRAN transforma vida de...

Com transplante de pele, unidade de queimados do HRAN transforma vida de pacientes

Por Michelle Horovits

O adolescente Etelvino Mateus tinha 13 anos quando sofreu um acidente doméstico e teve 70% do corpo queimado por líquido inflamável. Ele deu entrada na Unidade de Queimados do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) com braços e parte dos membros inferiores afetados. Após passar por um transplante de pele há dois anos e extenso processo de fisioterapia, pois o atendimento é multidisciplinar, hoje, Etelvino está 100% recuperado.

Os transplantes de pele começaram a ser feitos no hospital em 2019, por meio de concessões emergenciais. A partir de 2023, com o aval do Ministério da Saúde, médicos do Hran foram qualificados com autorização permanente, tornando o processo mais ágil. Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF.

Os transplantes de pele começaram a ser feitos no hospital em 2019, por meio de concessões emergenciais. A partir de 2023, com o aval do Ministério da Saúde, médicos do Hran foram qualificados com autorização permanente, tornando o processo mais ágil.

O chefe da equipe de transplante de pele do Hran, Fernando Pontes, conta que, como os de tantos outros pacientes, o procedimento em Etelvino foi um sucesso. “Os bons resultados de recuperação são também reflexo da atuação multidisciplinar da unidade. Há diversas linhas de cuidado e olhares em busca de um objetivo único: a cura dos pacientes e a solução do problema.”

“Os bons resultados de recuperação são também reflexo da atuação multidisciplinar da unidade. Há diversas linhas de cuidado”, destaca o chefe da equipe de transplante de pele do Hran, Fernando Pontes. Foto: Agência Saúde-DF.

Mãe do adolescente, hoje com 15 anos, Gizeane Oliveira, 30 anos, destaca o apoio do hospital. “A equipe do Hran foi extremamente atenciosa na recuperação do meu filho. Hoje, ele leva uma vida normal, estuda, brinca, joga videogame e adora esporte”, diz.

Capacitação

Para oferecer o melhor atendimento, os profissionais investem em capacitação. “Conheci novas tecnologias de tratamento como matrizes de regeneração dérmica [da pele] e precisamos alcançá-las para incorporar aos nossos processos”, relata Fernando que, neste mês, participou de um congresso sobre queimados na Irlanda. O médico reforça que, no Brasil, a qualidade da assistência e os protocolos são excelentes.

A fisioterapia também é parte essencial do processo de recuperação, pois reduz o impacto nas funções e evita retrações que impedem os movimentos e, no caso de Etelvino, o desenvolvimento. “Esses cuidados vão até a fase adulta”, aponta o especialista, ao destacar a importância dos cuidados pós-transplante.

Kessia Pereira, de 30 anos, sofreu um acidente doméstico com líquido inflamável em 2019 e teve 75% do corpo queimado. Depois de 57 dias de tratamento e várias cirurgias, ela fez fisioterapia por três anos para restabelecer a movimentação dos braços.

“Tenho algumas limitações, pois tive um encurtamento na mão, mas fiz fisioterapia no Hran por muito tempo para melhorar. A equipe foi fundamental para minha melhora, também tive um acompanhamento nutricional que ajudou muito. Apesar dos meus desafios, hoje tenho uma vida nova”, afirma Kessia.

Fernando lembra que o procedimento de Kessia foi um desafio, pois ela tinha uma parte muito extensa do corpo queimada. “Sem o transplante, é provável que ela não tivesse conseguido. Ela fez diversas cirurgias durante a internação e atualmente está reabilitada. É realmente um caso de sucesso.”

Referência

A Unidade de Queimados recebe, anualmente, cerca de 3 mil pacientes, cuja média de internação é de 10% (cerca de 300 casos ao ano). As pessoas atendidas recebem cuidados de uma equipe multidisciplinar, mesmo após a alta hospitalar. O espaço conta com equipe de médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas e o suporte da assistência social.

O pronto-socorro de queimados do Hran funciona 24 horas, todos os dias. Após os primeiros cuidados, caso seja preciso, o paciente é encaminhado para a internação. A unidade, além de atender pacientes do entorno do DF, é referência para o Centro-Oeste, o norte de Minas Gerais e o oeste baiano.

VEJA TAMBÉM
- Advertisment -

RECENTES