Sábado, Julho 13, 2024
InícioDestaques“Piso não é real para parte da categoria”, diz presidente do Cofen...

“Piso não é real para parte da categoria”, diz presidente do Cofen em entrevista

Por Regina Carvalho

A presidente do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Betânia Maria dos Santos, desembarca em Alagoas no início da próxima semana para participar de um evento com a categoria em Maceió. Antes, conversou a Gazeta de Alagoas sobre o momento atual da profissão, novo piso, pandemia e a falta de valorização da categoria.

A vinda da presidente do Cofen deve-se a 556ª Reunião Ordinária de Plenário (ROP) do Conselho Federal de Enfermagem, em Maceió, entre os dias 21 a 25 de agosto. Realizada com o apoio do Conselho Regional de Enfermagem de Alagoas (Coren-AL), a ROP reúne conselheiros federais para a deliberação de assuntos relacionados ao exercício profissional da categoria.

Experiente na área, Betânia é bacharel em Enfermagem pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), especialista em Cuidados Intensivos pela UFPB, mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal da Paraíba e doutorado em Medicina e Saúde pela Universidade Federal da Bahia- UFBA (2013), além da licenciatura pela UFPB e de atuar como enfermeira.

A reportagem pergunta a presidente do Cofen como avalia a situação da Enfermagem no Brasil. “Atualmente, a Enfermagem no Brasil enfrenta uma série de desafios, potencializados com a chegada do vírus da covid-19, que escancarou para a sociedade a necessidade urgente de direcionar investimentos para a valorização da categoria”, disse.

Segundo Betânia Santos, mesmo com a aprovação e posterior sanção do piso salarial, em um raro movimento que pactuou consensos de parlamentares de diversas vertentes políticas, os novos salários ainda não são reais para uma grande parcela dos 2,8 milhões de profissionais da Enfermagem.

“Aliado aos baixos salários praticados em todas as regiões do Brasil e que estão longe de refletir a relevância do papel que exercemos, ainda enfrentamos problemas relacionados às excessivas cargas horárias de trabalho, à falta de incentivo para a formação continuada e ao inadequado dimensionamento de profissionais”, destaca a presidente da entidade.

Piso não é realidade

“Sancionado há um ano, o piso da enfermagem ainda não é uma realidade na vida da maioria dos enfermeiros, técnicos, auxiliares e obstetrizes que formam a nossa profissão. No momento, seguimos aguardando os repasses dos montantes que serão enviados pelo Ministério da Saúde para o pagamento do piso nos estados e municípios, além do início do pagamento pela rede privada”, lamenta Betânia.

De acordo com Betânia Santos, em muitos locais do Brasil, ainda são pagos salários miseráveis à categoria. “Para se ter uma ideia, a pesquisa ‘Perfil da Enfermagem’, realizada em 2015 pelo Cofen em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz, revelou uma realidade estarrecedora.

Segundo o estudo, 1,8% da categoria recebia até menos de um salário mínimo por mês”, lamenta Betânia. A presidente do Cofen acrescenta que, neste mesmo período, no setor público, 14,4% ganhavam até R$ 1.000,00 por mês e 45% ganhavam, no máximo, R$ 2.000. No setor privado, 23,1% recebiam apenas R$ 1.000 e 31,9% não passavam de R$ 2.000 mensais. E que de 2015 para cá, os salários não tiveram aumento real e os profissionais de Enfermagem perderam ainda mais diante da crise econômica e da pressão inflacionária.

VEJA TAMBÉM
- Advertisment -

RECENTES