Quarta-feira, Maio 8, 2024
InícioSAÚDEEnfermagem do DF vai ao STF protestar contra suspensão do piso salarial

Enfermagem do DF vai ao STF protestar contra suspensão do piso salarial

Na manhã de hoje (09), a Praça dos Três Poderes foi tomada por centenas de trabalhadores da enfermagem, que saíram às ruas no grande ato organizado pelo SindEnfermeiro-DF, ABEn-DF e Coren-DF para protestar contra a decisão do ministro Luís Roberto Barroso – que suspendeu a vigência do Piso Salarial da categoria após pressão dos grandes empresários da saúde.

Mesmo com o calor e o tempo seco típicos de setembro, a categoria mostrou disposição e ocupou o espaço próximo ao Supremo Tribunal Federal (STF) com cartazes, balões e faixas com mensagens apontando para a importância de valorização da categoria.

Representando o SindEnfermeiro, participaram do ato o presidente em exercício Jorge Henrique, as diretoras Ursula Nepomoceno, Marcela Vilarim, Kelly Cristina e Elisângela Motta, e os diretores Marcio da Mata, Suderlan Sabino, Rangel Fernandes, Marcos André, Fábio Aguiar, Ferdinan Lago e Inaldo Sarmento.

Mobilização nacional pelo piso

O ato, segundo o presidente Jorge Henrique, atende ao chamado nacional de luta pelo piso feita pelo Fórum Nacional da Enfermagem. Para ele, a suspensão do piso atende apenas aos interesses do grande empresariado da saúde, e a preocupação do Supremo com as contas públicas só existe quando há uma medida em prol do trabalhador.

“Hoje viemos para a porta do STF mostrar que a suspensão do piso foi uma medida tomada apenas para beneficiar os donos das grandes redes de hospitais. Não vi o Supremo questionar os repasses de verba pública retirada do SUS para financiar procedimentos em redes privadas, ou mesmo refletir sobre o prejuízo que a Emenda Constitucional 95 causou à saúde pública, mas como o piso da enfermagem é em prol do trabalhador, sempre há motivo para questionar”, afirmou.

Foto: Pedro Vinícius/ASCOM SindEnfermeiro

“Sem piso, sem enfermagem”

Jorge afirmou ainda que “o piso representa o reconhecimento histórico de uma categoria que entrega um resultado muito relevante para a população – que é a assistência em saúde. Afinal, estamos nas UBSs, UTIs e prontos-socorros, além de sermos os responsáveis pelos programas de imunização que salvaram muitas vidas durante a pandemia, mesmo trabalhando em condições degradantes no dia a dia. Não há saúde sem enfermagem, e sem o piso a enfermagem não fica mais”, completou.

Piso é dignidade

Foto: Pedro Vinicius/ASCOM SindEnfermeiro

Para o diretor Marcio da Mata, “o piso salarial representa o reconhecimento de uma categoria que passou os últimos dois anos enfrentando uma pandemia onde no início, ninguém sabia o que ia acontecer. E é por essas pessoas que estamos lutando, pois elas merecem valorização e a condição de poder dar às suas famílias o mínimo necessário a uma vida digna”, afirmou.

Suspensão do Piso

A decisão cautelar do ministro Luís Roberto Barroso foi concedida no último domingo (4) no âmbito da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 7.222. O ministro deu prazo de 60 dias para que entes públicos e privados da área de saúde informem o impacto financeiro do piso salarial, assim como os riscos para a empregabilidade na área e a possibilidade de eventual redução na qualidade dos serviços prestados na rede de saúde.


Política Distrital nas redes sociais? Curta e Siga em:

YouTube | Instagram | Facebook | Twitter

VEJA TAMBÉM
- Advertisment -

RECENTES