Quarta-feira, Maio 8, 2024
InícioBRASILPT desarticula fake news em que Bolsonaro tenta se apoderar de piso...

PT desarticula fake news em que Bolsonaro tenta se apoderar de piso da enfermagem

Por Rafael Noronha

As redes bolsonaristas tem difundido mentiras acerca do ex-presidente Lula, dos parlamentares do partido e, até mesmo, divulgando posicionamentos falsos de deputados e senadores acerca de votações realizadas no Congresso Nacional.

Uma dessas mentiras que tem sido amplamente divulgadas colocam o PT contra o piso da enfermagem. Na verdade, o partido sempre foi favorável a aprovação do projeto de lei que criou o piso da enfermagem. A proposta que foi aprovada por Câmara e Senado, inclusive, é de autoria do senador Fabiano Contarato (PT-ES), vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH).

Após a aprovação do projeto, houve a sanção presidencial. Apesar de ter transformado o projeto em lei, Bolsonaro vetou a correção anual do piso, que seria feita pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), como previa o texto aprovado no Congresso.

Então o texto da lei passou a vigorar prevendo valor do salário-mínimo de R$ 4.750 para enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliar de enfermagem e parteiras por 30 horas de trabalho semanais.

Antes mesmo de o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir suspender a vigência da lei, os senadores do PT já articulavam a derrubada do veto imposto por Bolsonaro para fazer valer a correção anual dos salários prevista pelos parlamentares.

Mesmo após a decisão do STF, os senadores PT continuaram buscando caminhos para a efetivação do piso da enfermagem, ao contrário da falácia bolsonarista que coloca o Partido dos Trabalhadores contra uma legislação oriunda de um projeto criado por um membro do próprio partido.

Foto: Alessandro Dantas

“Bolsonaro nunca valorizou a enfermagem. Sancionou o piso a contragosto para evitar prejuízo eleitoral, mas vetou um dispositivo essencial para o reajuste salarial anual desses profissionais. A efetivação do piso é minha prioridade”, disse o senador Fabiano Contarato.

Ao contrário do que pregam as redes de desinformação de Bolsonaro, a verdade sempre aparece. E, nesse caso, para constranger o próprio disseminador de notícias falsas. Quando o projeto esteve em discussão na Câmara dos Deputados, quem votou contra foi o filho do atual presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro.

Enquanto isso, o ex-presidente Lula defendeu, em seu Twitter, a manutenção do piso da enfermagem. “Sempre defendi que a enfermagem tivesse um piso salarial. O projeto aprovado é do senador Fabiano Contarato. Bolsonaro vira as costas para profissionais que lutaram na pandemia. Seu filho votou contra o piso, assim como seu líder de governo”, lembrou Lula.

“Bolsonaro ainda vetou o reajuste e agora nega-se a destinar recursos para ajudar hospitais, estados e municípios a pagarem melhor os profissionais que salvam vidas. Para arrumar bilhões para seus aliados ele é rápido, mas despreza quem salva vidas no Brasil”, completou o ex-presidente.

PT apresenta solução para garantir recursos ao piso da enfermagem

Mais uma prova inconteste de que o Partido dos Trabalhadores é favorável ao pagamento de um salário digno para os profissionais da enfermagem é a de que a bancada do PT no Senado apresentou proposta para carimbar recursos do orçamento secreto e garantir que o dinheiro do esquema encabeçado pela base governista de Bolsonaro seja utilizado para pagamento do piso da enfermagem.

A ideia da Proposta de Emenda Constitucional é modificar o Ato das Disposições Transitórias para prever, já no orçamento de 2023, que os recursos do orçamento secreto sejam destinados especificamente para o apoio a estados, municípios e Distrito Federal e aos hospitais filantrópicos, sem fins lucrativos.

Enquanto Bolsonaro utiliza o dinheiro público para comprar apoio de parlamentares no Congresso Nacional, a ideia do PT é justamente usar esse recurso público para garantir o pagamento de um salário digno aos enfermeiros e enfermeiras do Brasil.

O Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) 2023 foi apresentado com recursos de saúde no piso constitucional (R$ 149,9 bilhões), definido pela Emenda Constitucional 95 (teto de gastos). Com isso, o orçamento de ações e serviços públicos de saúde é menor nominalmente no PLOA 2023 do que o orçamento de 2022, mesmo diante de um conjunto de pressões conjunturais e estruturais sobre o SUS.

Além disso, o governo previu R$ 10 bilhões das emendas de relator dentro do piso da saúde, na prática, consumindo recursos do setor e agravando as condições de financiamento de uma área estratégica à prestação de serviços públicos para a população. As emendas de relator não atendem a critérios de distribuição objetivos, por exemplo, do ponto de vista epidemiológico ou populacional, de modo que não contribuem efetivamente com o atendimento dos objetivos do SUS, nos termos da Constituição Federal.

As estimativas de impacto do piso giram em torno de R$ 10 bilhões por ano, mesmo valor previsto para as emendas de relator dentro do orçamento federal da saúde.


Política Distrital nas redes sociais? Curta e Siga em:

YouTube | Instagram | Facebook | Twitter

VEJA TAMBÉM
- Advertisment -

RECENTES