Home BRASIL Senado aprova por unanimidade PEC que garante recursos para pagar piso da...

Senado aprova por unanimidade PEC que garante recursos para pagar piso da enfermagem

Os parlamentares esperam que a emenda constitucional acabe com o questionamento que levou o Supremo a suspender o pagamento

0
37
Pedro França/Agência Senado Fonte: Agência Senado

Por Roberto Fragoso

O Senado aprovou por unanimidade nesta terça-feira (20/12) a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 42/2022) que garante recursos para pagar o piso da enfermagem, sancionado em agosto. No entanto, uma decisão do Supremo Tribunal Federal suspendeu o pagamento. Os parlamentares esperam que a emenda constitucional acabe com o questionamento e o STF desbloqueie a implantação do piso, que será de R$ 4.750 para enfermeiros, R$ 3.325 para técnicos de enfermagem e R$ 2.375 para auxiliares de enfermagem e parteiras.

O piso nacional da enfermagem foi sancionado em agosto deste ano. No entanto, a Confederação Nacional de Saúde, que representa hospitais privados, questionou a lei argumentando que ela iria provocar demissão em massa e queda na qualidade dos serviços. O Supremo Tribunal Federal suspendeu o pagamento do piso cobrando informações como a fonte dos recursos. A nova PEC vem em resposta a essa decisão, definindo que o dinheiro vai sair das sobras dos fundos públicos e do Fundo Social.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, espera que após a promulgação da emenda, que acontecerá ainda neste ano, o STF reveja a decisão e desbloqueie a implantação do piso. O impacto para a União é muito pequeno do piso nacional da enfermagem, mas há um impacto para estados, municípios e hospitais filantrópicos que, de fato, é muito severo. E a razão de ser de todas essas iniciativas que nós estamos tomando ao longo desse tempo, inclusive essa proposta de emenda à Constituição, é justamente para poder resolver a questão do impacto financeiro e a compensação, a contrapartida a estados, municípios e hospitais filantrópicos, de modo a atender a decisão do Supremo Tribunal Federal e, com isso, estabelecer e implantar o piso nacional da enfermagem no Brasil.

A PEC retira ainda, temporariamente, o piso dos limites de despesas com pessoal de estados e municípios e do teto de gastos federal. A partir do segundo ano, o custo será incorporado gradualmente aos limites – 10% a cada ano – como explicou o relator, Fabiano Contarato, do PT do Espírito Santo.

A proposta de escalonar seu impacto, ao longo de dez anos, é bastante razoável, pois dá tempo para se organizarem, alterando o ritmo de contratações ou de concessão de reajustes salariais. Não se pretende que o piso salarial seja concedido às custas de outros gastos com saúde. Seria inconsistente pensar em valorizar as carreiras associadas à enfermagem e, simultaneamente, cortar outros gastos para financiar a saúde pública, por exemplo, remédios ou construção de hospitais. Evita-se, dessa forma, que “aquilo que se dê com uma mão, seja retirado com a outra”. O piso salarial da enfermagem é de R$ 4.750 por mês para enfermeiros; 70% deste valor – R$ 3.325 – para técnicos, e 50%, ou R$ 2.375, para auxiliares de enfermagem e parteiras.