Terça-feira, Maio 7, 2024
InícioDestaquesTCDF apura possíveis irregularidades na ampliação do Programa Prato Cheio realizada antes...

TCDF apura possíveis irregularidades na ampliação do Programa Prato Cheio realizada antes das eleições

Por Maria Vasconcelos  

O Tribunal de Contas do Distrito Federal determinou que a Secretaria de Desenvolvimento Social do DF (SEDES/DF) se manifeste, no prazo de 15 dias, acerca da ampliação do número de beneficiários e do prazo de concessão do benefício do Programa Prato Cheio a dois meses do pleito eleitoral. A decisão foi tomada em sessão plenária da última quarta-feira, dia 19 de outubro. 

O Prato Cheio é um programa de transferência de renda em execução no Distrito Federal, no qual é concedido um crédito mensal de R$ 250,00 para aquisição de gêneros alimentícios às famílias em situação de insegurança alimentar e nutricional.

A Corte de Contas tomou conhecimento de possíveis irregularidades na ampliação do benefício mediante representação formulada pelo Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do Distrito Federal (MPjTCDF). De acordo com o documento, o ano de 2022 teve aumento considerável do número de beneficiários, das parcelas do benefício e do aporte de recursos ao programa, em relação aos anos de 2020 e 2021. Mas, segundo o representante, o desemprego no DF caiu em 2022 e os dois anos anteriores foram os de maior incidência da Covid-19. 

De acordo com levantamento do MPjTCDF com dados extraídos do Portal do Portal da Transparência do DF, o período de maio a dezembro de 2020 teve a menor média mensal de pagamentos de benefícios (27.734). Já em 2021, a média mensal aumentou para 33.333. Embora os números tenham se mostrados relativamente estabilizados nos primeiros meses do ano de 2022, a quantidade de benefícios alcançou 59.972 em julho e 59.963 em agosto. 

O representante também chama atenção para o fato de que a ampliação do benefício em três parcelas, totalizando até nove pagamentos mensais, ocorreu em maio de 2022. 

Ainda de acordo com o Ministério Público de Contas, a lei que estabelece normas para as eleições (Lei Federal nº 9504/97) proíbe a distribuição gratuita de valores e benefícios pela Administração Pública em ano eleitoral. Assim, o aumento do número de beneficiários, das parcelas do benefício e do aporte de recursos ao programa – ocorrido em ano eleitoral – pode contrariar o disposto no art. 73, § 10 do dispositivo legal. 

Agora a Secretaria de Desenvolvimento Social tem 15 dias para se manifestar sobre as possíveis irregularidades. Esse prazo é contado a partir da notificação oficial (Processo nº 00600-00012145/2022-07-e).

VEJA TAMBÉM
- Advertisment -

RECENTES