Sexta-feira, Maio 10, 2024
InícioSAÚDEMPDFT quer informações sobre eventual construção de hospitais em parceria com IGESDF

MPDFT quer informações sobre eventual construção de hospitais em parceria com IGESDF

Questionamento foi motivado por anúncio de três novos hospitais feito pelo governador Ibaneis Rocha em entrevista recente à mídia local

As Promotorias de Justiça de Defesa da Saúde (Prosus) e dos Direitos Difusos (Proreg) requisitaram informações à Secretaria de Saúde (SES) e ao Instituto de Gestão Estratégica do Distrito Federal (Iges-DF) sobre estudos técnicos em curso para a construção de três novos hospitais (São Sebastião, Recanto das Emas e Centro Sul, abrangendo Candangolândia, Estrutural, Guará, Park Way e Núcleo Bandeirante).

Caso confirmem a existência dos estudos, a SES e o Iges-DF deverão encaminhar os links de acesso dos processos SEI relacionados às obras. Além disso, o Ministério Público quer saber  se as obras e a gestão das novas unidades de saúde ficarão a cargo da SES ou do instituto. Caso seja o Iges-DF, deve ser informado se há previsão legal e contratual que justifique a medida.

As Promotorias também questionaram se as construções de três novos hospitais constam da Programação Anual de Saúde (PAS) para os anos de 2022/2023 aprovada pelo Conselho de Saúde do Distrito Federal. E, ainda, se esse órgão de fiscalização da aplicação dos recursos destinados às ações e serviços públicos de saúde está sendo previamente consultado, de acordo com a legislação federal.

IGESDF

No documento, os promotores de Justiça ressaltam que a atividade desenvolvida pelo Iges-DF deve ser apenas complementar e não substituir  a competência do Distrito Federal na prestação do serviço de saúde. A criação do Instituto foi alvo de ações de inconstitucionalidade (ADI 2017.00.2.013822-5 e 2017.00.2.013758-5). Partidos políticos argumentaram que a norma apresentaria vícios formais, ocorridos no procedimento de elaboração e votação do projeto de lei, além de vícios materiais, por violar artigos da Lei Orgânica, especialmente por delegar atividade típica de Estado.

O Conselho Especial do TJDFT concluiu pela inexistência dos vícios de inconstitucionalidade, sob o argumento de que o modelo de gestão não se tratava de privatização da saúde pública. Ressalvou expressamente, entretanto, que a atividade desenvolvida pelo Iges-DF deve ser meramente cooperativa, e não com o fim de substituir o Estado.

Clique aqui para acessar o documento.

SourceMPDFT
VEJA TAMBÉM
- Advertisment -

RECENTES